22) O Leitor - sobre o amor que inclui.

 

 

Em “O Leitor", de Bernhard Schlink, a Alemanha antes da Segunda Guerra encontra a Alemanha depois dela nos personagens Hanna e Michael, respectivamente.

 

A bela e misteriosa trabalhadora pede para o estudante ler para ela depois de salvá-lo e, futuramente, iniciá-lo sexualmente. 

 

(Tem spoiler) Um dia ela desaparece deixando o rapaz desolado. Muitos anos se passam até Michael, agora estudante de direito, reencontrá-la como ré num julgamento sobre os crimes da II Guerra.

 

Ao final do julgamento, o jovem descobre um segredo sobre a amante, que ela mesmo não revela para o Tribunal. Se o fizesse conseguiria se libertar de muitas acusações. Hanna prefere guardá-lo, como todas as pessoas e nações que preferem ser vistos como criminosos ou maus do que mostrar sua falha trágica.

 

Todos nós temos uma falha trágica por onde o destino nos toma a seu serviço. A mesma ferida que faz a gente escolher algumas ações e, consequentemente vivenciar suas reações, que também dá à alma uma plataforma de aprendizado para a nossa evolução.

 

Depois de anos, Michael, um advogado respeitado, envia áudios gravados da leitura dos livros para sua antiga amante na prisão.

 

A educação da velha mulher continua, não apenas lendo, mas conseguindo aprender a pensar e refletir sobre a realidade. Chega um momento em que a Hanna de outrora se transforma na Hanna capaz de avaliar e tomar decisões, de ser protagonista da história e não mais ser a bucha de canhão da mente coletiva. 

 

Ela desaparece novamente, desta vez deixando uma compensação, ao mesmo tempo em que permanece vítima de sua falha trágica. Seu sumiço, portanto, simboliza que não há como apagar o que fez, nem mudar o que a levou a fazer aquilo, mas há como criar compensações.  Michael, como ela, também precisava do encontro com seu passado para poder seguir em frente. 

 

Da mesma maneira nosso presente busca reconciliação com os tropeços do passado, sem ficar julgando nossos erros, mas por causa deles. Sem apagar a história, mas aprendendo com ela, sem apenas tomar consciência, mas saindo das acusações em direção à solução. E isso só acontece porque assumimos responsabilidade pelo que aconteceu e incluímos o que antes tínhamos aversão. Como o amor de Michael incluiu o que nem Hanna conseguiu acolher. 


Nesta Constelação familiar sobre a Guerra Japão e China, conduzida por Bert Hellinger, vivenciamos o amor que inclui. 


________________


Já escrevi outro texto sobre o mesmo filme e livro aqui

 

 

 

Foto - The Reader, Hanna e Michael (Kate Winslat e David Kross)

 

Comentários